OBJETIVOS

  • Estimular o debate científico em língua portuguesa;
  • Favorecer a aproximação e potenciar a cooperação entre cientistas de países de língua portuguesa;
  • Mobilizar e reforçar os contactos dentro das redes de ciência;
  • Fomentar a partilha de conhecimento científico e a utilização partilhada de infraestruturas de investigação;
  • Reforçar a discussão sobre temas científicos de elevada atualidade de forma abrangente e transversal.
Organizadores

TEMAS EM DEBATE

Entre outros a anunciar.

  • “Mudança climática verdade e consequência”
  • “Desenvolvimento da Tecnologia: os filhos do ábaco” (3ª sessão)
  • “Biodiversidade: a lei do mais forte?”
  • “Agricultura: do arado aos satélites “ (1ª sessão)
  • “Saúde e Medicina, Hipócrates no sec. XXI” (4ª sessão)
  • “Antropoceno: Homem Vs Meio Ambiente” (2ª sessão)
  • “Transição digital e Inteligência Artificial: porquê, como e para quem”
  • “Oceano, o coração do planeta” (5ª sessão)
  • “Ciência Global, ligar os pontos” (6ª sessão)

FORMATO

  • Via videoconferência via Zoom ou outra plataforma equivalente
    Nota: havendo condições para tal, pode ter uma componente presencial, assumindo um formato híbrido
  • Duração da sessão: 2h
  • Estrutura da sessão:
  • Introdução ao tema de debate com 2 ou 3 keynote speakers (10/15 minutos),
  • Mesa Redonda de debate com participantes convidados (45/50 minutos)
  • Encontro de rede virtual com os participantes, mediante inscrição prévia (máximo 10 pessoas)

PERIODICIDADE

Uma sessão por mês

DATA DA PRÓXIMA SESSÃO

27 de outubro de 2021

6ª Sessão CIÊNCIA GLOBAL: LIGAR OS PONTOS

27 de outubro – 15h00 (Lisboa)*

* 23h00 – Dili, (TL) | 14h00 – Bissau (GB) | 11h00 – Brasília (BR) | 15h00 – Luanda (AO) | 16h00 – Maputo (MZ) | 13h00 – Praia (CV) | 14h00 – São Tomé (STP)

OBJETIVOS

1 – Discutir os conceitos Transdisciplinaridade, Interdisciplinaridade, Multidisciplinaridade, como tornar a ciência mais abrangente;

2 – Identificar Vantagens e desvantagens de metodologias científicas que superam a fragmentação do conhecimento;

3 – Explorar e antecipar o futuro do conhecimento: ciências de fonteira, interdisciplinas e interciências

4 – Agricultura, Antropoceno, Tecnologia, Saúde, Oceano – ligar os pontos

PROGRAMA

Brevemente

Sessões anteriores

Clique para saber mais

Reveja a sessão AQUI

Objetivos

1 – Debater a transição gradual dos modelos agrícolas tradicionais para uma agricultura mais eficaz com recurso às dinâmicas inovadoras permitidas pela tecnologia atual, no contexto de cadeias alimentares sustentáveis.

2 – Discutir o papel da academia e dos cientistas na adequada transmissão do conhecimento científico e das formas de acesso aos mecanismos tecnológicos disponíveis, junto das comunidades agrícolas tradicionais.

3 – Repensar os modelos de políticas públicas e envolvimento privado no acompanhamento da transição agrícola, como motor do desenvolvimento regional e da melhoria da qualidade de vida das comunidades.

4 – Transmitir exemplos de boas práticas e seus impactos nas comunidades

Programa

com moderação de Ana Noronha, Diretora Executiva da Ciência Viva

15h00 – 15h10 | Boas-vindas

. Centro Ciência LP e AIR Centre

15h10 – 15h20 | 1ª Intervenção

. Agricultura tradicional em África, sua transição para uma agricultura sustentável, por Ângela Moreno, Presidente do Instituto Nacional de Investigação e Desenvolvimento Agrário (INIDA), Cabo Verde

15h20 – 15h30 | 2ª Intervenção

. Agricultura de Precisão, por José Rafael Marques da Silva, Professor Universidade de Évora, Diretor Mestrado em Tecnologias em Agricultura de Precisão

15h30 – 15h40 | 3ª Intervenção

. Coesão Territorial, por Isabel Ferreira, Secretária de Estado da Valorização do Interior, Professora e Investigadora, Portugal

15h40 – 16h25 | Mesa Redonda

Leonardo  Kerber, Especialista em Agricultura de Precisão na Cotrijal, Brasil

Luís Goulão, Professor no Instituto Superior de Agronomia da ULisboa (ISA) e Investigador do Centro de Investigação em Agronomia, Alimentos, Ambiente e Paisagem, Portugal

António Batel Anjo, Matemático e Diretor Executivo da Osuwela – Associação de direito moçambicano, para a Promoção do Desenvolvimento através da Formação em Ciência, Moçambique

Xavier Mendes, Diretor do Centro de Investigação Agronómica e Tecnológica (CIAT), São Tomé e Príncipe

16h25 – 16h30 | Principais Conclusões da Mesa Redonda

16h30 – 17h00 | Encontro de rede virtual com os participantes


Reveja a sessão AQUI

Objetivos

1 – Debater a passagem do Holoceno ao Antropoceno, em que o artificial supera o natural;

2 – Identificar fatores que contribuem para a consolidação do Antropoceno, tais como o progresso tecnológico, o crescimento populacional, a multiplicação da produção e aumento do consumo e a globalização;

3 – Explorar formas de minimizar o impacto da atividade humana no meio ambiente, tais como a proteção da biodiversidade, a descarbonização da economia, a redução e reaproveitamento dos desperdícios, a adequada gestão florestal e a oportuna transmissão do conhecimento científico à sociedade;

4 – Transmitir exemplos de boas práticas e seus impactos nas comunidades

Programa

15h00 – 15h10 – Introdução
“A escala de tempo geológico e o início do Antropoceno”, Gaia Stucky de Quay, pós-doutoranda na Jackson School of Geosciences (Universidade do Texas em Austin), Brasil

15h10 – 15h20 – 1ª Intervenção
“O papel das políticas da Pesca no âmbito da exploração sustentável dos recursos marinhos e preservação da biodiversidade”, Esperança Costa, Secretária de Estado das Pescas, Angola

15h20 – 15h30 – 2ª Intervenção
– “Mudança climática, processos atmosfera-terra-oceano, fenómenos extremos “, Pedro M. Soares, Professor e Investigador no Centro de Geofísica da Universidade de Lisboa, Instituto Dom Luiz, Portugal

15h30 – 16h25 – Mesa Redonda Moderação: Gaia Stucky de Quay
Rita Campos, Investigadora no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, Portugal
Lourenço Monteiro de Jesus, Diretor Geral do Ambiente, São Tomé e Príncipe
Nicole Azevedo, Fundadora da Associação Ajudar Moçambique e fundadora do Movimento Anti Mosquito “Movam”, Moçambique

16h25 – 16h30 – Principais Conclusões da Mesa Redonda

16h30 – 17h00 – Encontro de rede virtual com a assistência (mediante inscrição prévia)

Reveja a sessão AQUI

Objectivos

1 – Debater a contribuição do conhecimento e da ciência na inovação e desenvolvimento de novas tecnologias;

2 – Identificar fatores económicos, sociais, políticos e outros, que contribuíram para o crescimento tecnológico, tais como, a pressão demográfica, as exigências da produção em massa, os efeitos de conjuntura e a globalização;

3 – Discutir os impactos positivos e negativos do desenvolvimento tecnológico nas sociedades atuais, incluindo os riscos da excessiva dependência da tecnologia;

4 – Explorar e antecipar os caminhos futuros da tecnologia, num contexto de desenvolvimento social.

PROGRAMA

15h00 – 15h05 – Introdução

15h05 – 15h20 – 1ª Intervenção: “o papel da tecnologia e inovação no desenvolvimento económico e social”, Joana Mendonça, Professora Associada IST, Investigadora, Presidente da Agência Nacional de Inovação, ANI, Portugal

15h20 – 15h35 – 2ª Intervenção: “O papel da tecnologia na prossecução dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”, Paulo Gadelha, Médico, Doutorado em Saúde Pública, Coordenador da Estratégia Fiocruz para a Agenda 2030 e ex-presidente da Fundação Oswaldo Cruz, Brasil

15h35 – 16h25 – Mesa Redonda

Moderação: Raffaella Gozzelino, Professora, Investigadora e Reitora da Universidade Técnica do Atlântico – UTA, Cabo Verde

Convidados:

  • Anaclides Massande, Doutorado em Ciências Técnicas Agropecuárias, especialista em Energias Renováveis, Irrigação e Drenagem, Professor. Angola
  • Elcelina SilvaDoutoranda em Engenharia Informática e de Computadores no IST. Professora-Assistente na Faculdade de Ciências e Tecnologia – UniCV, Cabo Verde
  • Susana Barbosa, Investigadora no INESC-TEC, especialista em Ciência de Dados, Portugal

16h25 – 16h30 – Principais Conclusões da Mesa Redonda

16h30 – 17h00 – Encontro de rede virtual com a assistência (mediante inscrição prévia)

Objectivos

1 – Debater a contribuição do conhecimento e da ciência na medicina e desenvolvimentos na saúde ;

2 – Identificar fatores económicos, sociais, políticos e outros, que contribuíram para os avanços da medicina e das novas dinâmicas da saúde;

3 – Discutir os impactos positivos e negativos da pandemia da Covid-19 no mundo e assinalar as lições a aprender;

4 – Explorar e antecipar os caminhos futuros da medicina, num contexto de desenvolvimento social.

PROGRAMA

15h00 – 15h10 – Introdução – “A Medicina no séc. XXI”, Filomeno Fortes, Médico, Diretor do Instituto de Higiene e Medicina Tropical (IHMT-UNL), Angola

15h10 – 15h15 – 1ª Intervenção: “Desafios da saúde infantil em África”, Nazira Abdula, Pediatra, Ex Ministra da Saúde, Moçambique

15h15 – 15h40 – 2ª Intervenção: “O impacto da pandemia em África”,Magda Robalo, Alta Comissária para a Covid-19 da Guiné-Bissau, Ex Ministra da Saúde, Guiné Bissau

15h40 – 16h25 – Mesa Redonda

Moderação: Filomeno Fortes

Convidados:

  • Rodrigo Stabeli, Bioquímico, Integra o Grupo de Trabalho enfrentamento da COVID19 da OPAS/OMS, Coordenador na Fiocruz, Brasil
  • Tiago CorreiaProfessor Associado de Saúde Internacional na Universidade Nova de Lisboa, Portugal
  • Carlos Alberto Bandeira d’Almeida, Diretor do Centro Nacional de Endemias, São Tomé e Príncipe

16h25 – 16h30 – Principais Conclusões da Mesa Redonda

16h30 – 17h00 – Encontro de rede virtual com a assistência (mediante inscrição prévia)

Objectivos

1 – Identificar as vantagens do oceano em benefício do planeta e seus ecossistemas;

2 – Elencar as maiores ameaças atuais à saúde do oceano e discutir a sua repercussão e impactos no meio ambiente global;

3 – Debater a contribuição do conhecimento e da ciência na prevenção e mitigação da ação antropogénica que afeta o oceano;

4 – Explorar o papel das boas práticas e sua eficaz comunicação na preservação do oceano, papel dos vários agentes envolvidos e a envolver;

PROGRAMA

15h00 – 15h10 – Visita virtual ao Centro de Robótica e Sistemas Autónomos CRAS/INESC TEC (Polo do ISEP)

(Polo do ISEP) ,

15h10 – 15h15 – 1ª Intervenção: Ozilea Menezes, Diretora do Instituto de Ciências do Mar (LABOMAR) da Universidade Federal do Ceará, Brasil

15h15 – 15h40 – 2ª Intervenção:  Malik Lopes, Presidente do Instituto do Mar, Cabo Verde

15h40 – 16h25 – Mesa Redonda

Moderação:

Vítor Vasconcelos, Professor Catedrático, Diretor do CIIMAR

Convidados:

  • Eduardo Silva, Investigador no INESC TEC, Professor no ISEP, Portugal
  • Vanda Brotas, Professora Catedrática, MARE – FCUL, Portugal
  • Filomena Vaz Velho, Diretora do INIPM, Angola

16h25 – 16h30 – Principais Conclusões da Mesa Redonda

16h30 – 17h00 – Encontro de rede virtual com a assistência (mediante inscrição)

Sessão com o apoio do CRAS/INESC TEC (Polo do ISEP)